O que fazer aos trabalhos artísticos dos filhos?

No final do ano lectivo (Junho/Julho aqui em Portugal) lá chegam as grandes pastas cheias de desenhos. Rabiscos mais ou menos interessantes, que testemunham a aquisição de motricidade fina dos nossos rebentos.

As pastas são feitas de grandes folhas coladas com fita cola, têm uma fotocópia a cores com um sorriso mais ou menos aberto do nosso filho para a identificar e dezenas de desenhos entre o A4 e o A3 (e maiores ainda) lá dentro. Isto quando não trazem também coisinhas feitas com feijões, barro e um sem número de materiais.

É desta forma que a criançada aprende as texturas, as cores, o pegar no lápis, etc por aí fora. Tudo bem documentado – e nós temos a confirmação da boa aposta que fizemos naquela pré-escola. Continuar lendo O que fazer aos trabalhos artísticos dos filhos?

O que fazer quando as birras tomam proporções épicas? (com pdf)

Sabem aquelas crianças que se atiram para o chão aos gritos, a chorar descontroladamente, a bater com as mãos serradas e os pés no chão? Daquelas para quem provavelmente olham para os pais com olhar reprovador, por terem criado semelhante criatura?

Sabem, não sabem? Eu também sei.
Tenho uma assim em casa.

(abraço solidário para todos os que me lêem e se revêem nestas cenas)

As birras surgem sobretudo na faixa etária próxima dos 2 anos (por vezes até cerca dos 5). Porquê? Vamos por partes:

Continuar lendo O que fazer quando as birras tomam proporções épicas? (com pdf)

Às vezes é mesmo “piece of cake” (com receita)

Há uns tempos li um artigo giro (virei a net ao avesso e não encontrei) que dizia que quando não encontramos as palavras certas para dizer a alguém, podíamos tornar a coisa verdadeiramente simplespiece of cake oferecendo um bolo de chocolate. Acho que era a propósito de Continuar lendo Às vezes é mesmo “piece of cake” (com receita)

Preciosas lições de uma escola Waldorf (parte II)

Este texto foi originalmente publicado no site Elephant Journal e é da autoria de Victoria Fedden, que trabalhou durante um ano numa escola Waldorf. Aqui está a segunda parte da adaptação e tradução:

Não só é perfeitamente normal, como até é saudável, os miúdos ficarem regularmente sujos 

Há pais super preocupados com a sujidade e as bactérias e que ficam aterrorizados com a ideia dos seus filhos se sujarem.

Esquece. Respira fundo e deixa andar. Continuar lendo Preciosas lições de uma escola Waldorf (parte II)

Preciosas lições de uma escola Waldorf (parte I)

Este texto foi originalmente publicado no site Elephant Journal e é da autoria de Victoria Fedden, que trabalhou durante um ano numa escola Waldorf. Aqui está a primeira parte da adaptação e tradução:

As crianças precisam de muita brincadeira desestruturada

Mesmo que seja a única, pelo menos guarda esta sugestão Continuar lendo Preciosas lições de uma escola Waldorf (parte I)

As frases para estimular o amor próprio | as imagens

Tem sido absolutamente avassalador o impacto do artigo com as 50 frases para estimular o amor próprio nos nossos filhos!
É mesmo caso para dizer: Continuar lendo As frases para estimular o amor próprio | as imagens

Frases para estimular o amor próprio do teu filho

Uma amiga partilhou este artigo comigo. A autoria é da psicóloga Katerina Kes, especializada em infância e família. O artigo original está em russo, que eu adaptei partindo também de uma tradução/adaptação do castelhano, que está aqui

Diz a autora que responder com um sim sim, está muito bem não adianta de muito. Está também provado que os elogios do género: és tão esperto, és tão inteligente, és tão giro fazem com que a criança/adolescente fique com medo de arriscar, com medo de falhar (o que é não só inevitável como necessário!), de não corresponder à imagem que lhe dão dela.

Qual a alternativa?
Reforçar a confiança em si mesma, promover o amor próprio, a confiança, o esforço, o processo e não o resultado.

Como? Aqui estão umas frases para ajudar. Continuar lendo Frases para estimular o amor próprio do teu filho