Preciosas lições de uma escola Waldorf (parte I)

Este texto foi originalmente publicado no site Elephant Journal e é da autoria de Victoria Fedden, que trabalhou durante um ano numa escola Waldorf. Aqui está a primeira parte da adaptação e tradução:

As crianças precisam de muita brincadeira desestruturada

Mesmo que seja a única, pelo menos guarda esta sugestão dá-lhes liberdade para brincar livremente.
Vivemos tempos tão estruturados – as aulas, as actividades a seguir (desporto, música, línguas, etc) – sempre a correr de um lado para outro, que lhes resta muito pouco tempo para descansar, procurar, imaginar e entreterem-se sozinhos.
Deixa de tentar preencher todos os seus tempos livres, agendando coisas para fazerem. Deixa-os em paz a brincar e interfere o menos possível (só se alguém estiver em perigo). Se for necessário redirectioná-los, fá-lo de forma calma e tranquila.

Desliga a televisão

Gastar muito tempo à frente de ecrãs promove indivíduos incapazes de criar imagens mentais, o que se revela fatal para o desenvolvimento da imaginação e pode comprometer seriamente a leitura e a sua interpretação nos anos vindouros. Torna os miúdos preguiçosos física e mentalmente. Por isso, por favor, desliga a tv e envolve os miúdos para brincarem ao faz-de-conta.

Ouvir histórias e contos de fadas é importante

Sim, estamos a falar, entre outras, das histórias dos irmãos Grimm, às vezes um bocado sórdidas e cruéis, mesmo para nós, adultos. Sobretudo quando contrapostas com as versões adocicadas da Disney.
As irmãs da Gata Borralheira amputaram o pé para o enfiar no sapatinho de cristal? Bruxas raptam bebés? As madrastas são mesmo más, há canibalismo e montes de patifarias feitas às crianças. Mas os miúdos têm uma percepção diferente da nossa relativamente a estas histórias. Por isso não te preocupes. Aliás, estes contos de fadas na realidade ajudam-nos a gerir e ultrapassar os seus medos e inseguranças acerca do mundo (a propósito vê os artigos acerca da visão do psicanalista Bruno Bettelheim no site brasileiro Toda Criança pode Aprender).

Para além de leres contos de fadas, conta-lhes igualmente histórias da sua própria vida, da tua vida ou da dos seus avós. Inventa também histórias. Os miúdos adoram isto (e ter a tua atenção).

Não te preocupes se o teu filho não ler e escrever aos 3 anos de idade 😉

Uma das actuais crenças dos pais é que quando mais cedo as crianças aprenderem a ler e a escrever, melhor. Pensam que isto lhes dará melhores ferramentas para terem sucesso na escola. Errado. O melhor para isso acontecer é desenvolverem a criatividade e a socialização. E como é que se consegue isso? Com montes e montes de brincadeira, claro!

Promove a imaginação em primeiro lugar e o resto vem por acréscimo. Acredita em mim, há resmas de estudantes de Harvard que não sabiam ler nem escrever antes dos 6. Têm muito tempo para isso.

Gasta todo o tempo que te for possível na Natureza

A Natureza tem um incrível poder reconstituinte e fortificante e as escolas Waldorf sabem-no. Por isso muitas têm inclusivamente aulas dadas exclusivamente no exterior, independentemente do tempo que faz. Os seres humanos viveram na Natureza durante milhares e milhares de anos. Os nossos corpos estão feitos para aguentar os elementos, por isso não temas. É o mais saudável que há, para miúdos e graúdos.

Aprofunda a relação do teu filho com o mundo natural através de caminhadas a pé, apanha da fruta, coleccionar conchinhas, jardinagem, rebolar na relva, trepar às árvores, visitar uma quinta, brincar com a areia na praia, mergulhar no mar/rio/lago – as possibilidades de diversão no exterior são ilimitadas!

Podes confiar no teu filho no que diz respeito a facas e ao fogo 

(moderadamente, acrescento eu, menos entusiasta que sou desta sugestão)

Obviamente com supervisão, é razoável e seguro ensinar os teus filhos a usar utensílios reais, como facas a sério e fósforos. Ensina-os a usar estas coisas com precaução e cuidado e deixa o teu miúdo de 5 anos cortar o pão e barrá-lo com uma faca.

Na pré-escola Waldorf, miúdos com 4 anos usam facas regularmente, com objectivos muito precisos. Acendem velas para decorar as mesas da escola e, surpreendentemente, tudo corre bem.

Os miúdos têm mais capacidades do que aquelas que imaginamos – devias ver como crianças de 5 e 6 costuram ou martelam pregos. É surpreendente e revelador.

Inculca uma forte noção de ritmo e rotina

As crianças desenvolvem e medram (thrive no original) quando seguem rotinas. Sentem-se seguras na constância e sabem o que vem a seguir.
Tenta criar rotinas diárias, semanais, mensais, anuais e sazonais. Isto dá-lhes um forte sentido de tempo e espaço, o que contribui enormemente para a sensação de segurança.

Aqui está a 2ª parte destas lições. Podes seguir o Facebook ou subscrever por mail para mais artigos deste estilo!

imagem daqui

Anúncios

3 comentários sobre “Preciosas lições de uma escola Waldorf (parte I)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s