Instagram ou a estetização da vida

Estava totalmente alheada ao Instagram até ver o seu (novo) logotipo estampado numa das faces dos sacos de plástico de um supermercado, isto aqui há uns meses, talvez um ano.

Ok, já sabia da sua existência e do seu crescente peso, isto de se acompanhar blogues norte-americanos dá para saber destas coisas um pouco antes de chegarem em força ao velho continente…

Sugeri começar e editar uma conta IG (carinhoso nick) no meu local de trabalho. Ei! Estamos onde as pessoas (e o mais novos) estão!
Para conhecer é preciso participar, para perceber os meandros, as abordagens, as linguagens, os emojis, as stories, as narrativas, os filtros, as desfocagens, as mensagens, os taganços e hashtaganços.

Seja.

Assim fiz.

Na minha conta pessoal, necessária para a gestão de contas profissionais, pus-me a seguir amigos, conhecidos, desconhecidos, celebridades, bloguistas, artistas, músicos, instituições, poucas marcas, quase nenhuma.
Nas incontáveis horas nocturnas a explorar este novo mundo visual (não esquecer que é a minha área de formação), fui-me apercebendo das diferentes formas de utilização: mais recatada, mais exibicionista, é só família, é tudo menos família, é a minha arte, é a minha digressão, é a minha cara laroca, é a minha leitura de Verão, é a minha actividade fora de casa, dentro de casa, é a minha refeição, é o meu turismo, é o meu staycation, é o meu carro, é o meu canário, é o meu cão (qualquer semelhança com a canção do Jobim é deliberada). Dos outros e minha, naturalmente.

Como li algures, nesta época pós crise do subprime, as experiências são uma moeda de troca, que nos enchem de prestígio e nos dão pontos sociais, e o Instagram, com as suas fotos quadradas (ou não), são o reino das experiências traduzidas em imagens, sem grande espaço para a reflexão.

As imagens evocam-nos mundos, realidades, em boa parte ficcionais, como expliquei neste artigo onde analiso (e fiquei toda contente por ter encontrado a chave de compreensão) o imaginário evocado por uma glamourosa cozinheira sino-francesa.

Acontece que posso fazer boas análises de imagem, mas não sou filósofa ou escritora (com pena minha), por isso recorro aos especialistas, como o meu sempiterno Tolentino Mendonça, que na edição de 4 de Agosto do jornal Expresso escreve o seguinte, num texto intitulado “O Verbo Fotografar”:

Talvez a saturação sem precedentes em que o mundo contemporâneo mergulhou, no que diz respeito à recolha e divulgação de imagens, nos tenha, paradoxalmente, tornado mais distantes do verbo fotografar.
Repetindo obsessivamente gestos que se diriam os mesmos de um fotógrafo e obtendo, em contínuo, imagens que ainda chamamos, à falta de outro nome, fotografias, poderíamos pensar que a nossa época assiste ao triunfo do homo photograficus.
Fotografar tornou-se um ato espontâneo, uma forma acelerada de comunicação, uma expressão inconsequente e divertida das nossas sociabilidades. Nesse sentido, deve reler-se o texto profético de Paul Valéry, escrito em 1982, com um título, porém, não isento de ironia, “A conquista da ubiquidade”.
Valéry vaticina que, tal como a água ou o gás da companhia chegam, sem esforço para nós, às nossas casas, chegará o dia em que nos alimentaremos de imagens, que nascerão e se apagarão automaticamente. Esse dia já chegou e vem servido em doses sobreabundantes, num caudal que nenhuma torneira é capaz de controlar.
Um texto recente da psicanalista Elsa Godart, “Faço selfies logo existo”, mostra bem o que está em jogo, de forma declarada ou latente, nesta enxurrada de imagens que quotidianamente nos submerge:
um desesperado desejo de ser, mesmo que não saibamos o quê; uma compulsiva vontade de saber que estivemos ali, naquela situação e naquele lugar, sobrepondo-se esse exibicionismo a qualquer outra partilha de razões ou de sentido. Recebemos e emitimos imagens que pretensamente ampliam, em rede, a realidade.

Mas a verdade é que o seu resultado, na maior parte das vezes, redunda num imenso empobrecimento comunicativo. Quando reduzimos o mundo a uma acumulação de imagens simplificadoras, as imagens simplificadoras susbituem-se ao mundo.

Talvez, também por isso, nos tenhamos distanciado do verbo fotografar e não falte quem classifique a nossa era como a da pós-fotografia. Mas naqueles que ativam este verbo com autenticidade encontramos um apelo que vai na direção contrária do imediatismo e da exposição: fotografar é, de forma radical, uma viagem interior; um ensaio contra a cegueira dos modos rotineiros do ver; uma tomada de consciência da vulnerabilidade do olhar e do que é olhado; uma ética (e, consequentemente, uma estética, um modo de vida, uma solidão, um amor, um destino). (…)

Eu adoro este homem e a forma singela e límpida como escreve as suas ideias, sempre certeiras. Tolentino analisa esta actual vida ilustrada por fotos e compara-a à verdadeira arte fotográfica, que nos toca, nos revela, longe do imediatismo e da simplificação.

Não diabolizo nenhuma rede social e aprecio – cada vez mais, diga-se – o IG. Mas, talvez fruto do meu mergulho em profundidade noites e noites a fio, sinto claramente a intoxicação que o Instagram e as suas belas imagens me provocam. Pela comparação e pelo desejo de gratificação que um mero ❤ depois de clicar 2x nos dá.

Vamos lá, ia reprovando em fotografia (com uma lente cujo diafragma não fechava e queimava todas as películas). Sou uma nódoa a fotografar, apesar de ter olho para a composição. Mas estou-me nas tintas para a técnica e aprecio todos os automatismos. Esse é o primeiro ponto – saio logo a perder pela falta de qualificação fotográfica. Adiante.

Não sou uma mãe fixe. Nem sequer sou fixe. Ou cool. Ou hot, for what matters. Como massa com legumes em pratos que já mereciam reforma, apesar dos esforços traduzidos por reforços da minha mãe. Raramente como fora de casa. Os meus putos andam em cuecas e fitas ninja na cabeça pela casa (talvez sejam mais fixes que a mãe), mas a minha conta é aberta e não os publico publicamente. Ando pelo bairro cheio de cocó na calçada sem árvores e pejado de prédios que precisavam de uma reabilitação. Raramente saio do eixo casa-escola-trabalho-escola-casa e tenho uma vida desinteressante para publicar.
E sinto-me uma nódoa ao lado das fabulosas mães de 3, ou 4, ou 5, ou 6 filhos, que amamentam em banheiras redondas, ensinam em casa em espaços magnificamente decorados, todos em madeira e chão pintado de branco, com quadros de pinturas Waldorf. Que exibem fabulosas madeixas californianas em fotos profissionais que têm sempre o mesmo filtro meio vintage, com roupas bohochapéus de palha. Que viajam que se fartam e apregoam o estado de graça em que vivem apesar – e graças à – numerosa prole. Que fazem ovos da Páscoa tingidos com plantas e recheados com cera de abelha que os transforma em velas pascais, ou que vão surfar numa praia paradisíaca (eu que demorei uns largos segundos a vir à tona este Verão) (mas não cheguei a ver o filme da minha vida a desfilar, vá).

A sério.

Se eu quiser ver blogues com produções fotográficas familiares, eu sei onde os vou procurar, mas os lifestylers ou influencers vêm ter à minha conta IG, quer queira quer não. É o algoritmo, burra!

São os amigos, as interacções, os cliques, os cookies. E é ver desfilar aquelas vidas fantásticas que me dão uma brutal sensação de desajustamento e insatisfação, como se estivesse não só a falhar redondamente, como se algo me passasse completamente ao lado – e eu nem sequer tenho hipóteses de lá chegar #youwish

A comparação não é, mas a inveja sim, é um pecado capital que nos corrói por dentro. Alimentadinho pelas gratificações que o nosso cérebro produz por cada interacção connosco, que almejamos crescer e ganhar influência, destacarmo-nos nesta torrente de wannabes. Queremos mesmo? É isso que nos valida como pessoas? O nº de seguidores? O nº de ❤ numa imagem? #tiroselfieslogoexisto?

Sou um poço de conflitos internos e não vivo no estado de Graça do (padre) Tolentino, que tem uma boa distância destas tentações telefónicas. Mas ter estado longe das apps durante largos dias fez-me aproveitar bem mais a vida, aquela que quero viver e da qual aqui falo, uma vida simples focada no essencial e não desperdiçada com distracções.

E sobretudo perceber que a vida a sério, não a vida vivida por interposta pessoa através de fotos fabulosas publicadas numa rede social, é caótica, barulhenta, poluída, frustrante, confusa, stressante, mas também pontuada por momentos mágicos, reflexões, epifanias, repletos de amor, mimos, gargalhadas, beijos e abraços. É tudo, o bom e o mau, não é apenas uma superfície lisa na qual o rugoso 3D não encaixa.

Não tenho sugestões, tenho contradições. Mas acho que vou deixar de seguir estes lifestyles que menorizam a percepção que tenho da minha própria vida – uma vida de privilégio, caramba! – para fazer as pazes com a minha realidade.

Alinham?

Esta temática não é uma novidade (andamos sempre em torno das nossas dificuldades, correcto?). Se interessar há mais sobre a imperfeição, sobre o mito das mães perfeitas, sobre as ficções encenadas no IG, sobre as redes sociais… é só procurar por aqui, pelo Facebook ou Pinterest. Até já!

 

Anúncios

Estilo francês tintim por tintim

Louca tem andado a vida e escasso o tempo e a disponibilidade. Pelo meio de todo este turbilhão, vou analisando e descobrindo redes sociais, cuja necessidade vou colocando em causa.

A propósito partilho uma conferência TED de um tipo que, sendo considerado millenial (nascido após 1982), está completamente fora de qualquer rede social e em 13 curtos minutos explica porquê. Está aqui a hiperligação.

Cada qual deve fazer um balanço dos pros e contras e perceber, afinal, para que serve *efectivamente* estar aqui ou ali…

Pelo que me diz respeito, continuo particularmente fã do Pinterest (e dizem as estatísticas que o mulherio dá cartas neste campo), pela utilidade que tem na minha vida.

É que há um antes e um depois do Pinterest, sim 😉 Continuar lendo Estilo francês tintim por tintim

Auto-superação (e provas de aferição)

Não sei se é um exclusivo de mães de famílias numerosas (olá pessoal!), ou se vai de cada um, mas quando me pediram, numa festa dedicada ao Dia da Mãe, para definir a maternidade numa palavra, confesso que me veio à cabeça a palavra exaustão, mas achei que ficava um bocado foleiro naquele contexto

Entre Amor, Amoroso, Infinito e outras quantas dentro do mesmo estilo, soletrei ao mais crescido uma palavra para ele escrever, ocupada que estava entre o colo exigido pela criança de 16 kg e a de 27, qual delas puxa mais pela manga ou se pendura nas calças aos choradinhos. A palavra soletrada foi auto-superação.

brincadeira

Eu sei que é um bocado auto centrado, mas foi o mais honesto que pude pensar naquele instante. E fiquei com a impressão de que 1. ou as outras pessoas tapam o sol com a peneira para ficar bem na fotografia, ou 2. eu vivo mesmo numa realidade meio paralela (sendo que o meia nesta frase não serve para nada). Continuar lendo Auto-superação (e provas de aferição)

Viver Devagar

Há uns dias vi uma foto publicada no Facebook por um amigo. Era uma belíssima foto de família, a preto e branco, com o pai deitado na terra, nas ervas, com dois filhos sentados em cima de si, um nos joelhos e outro no peito. Do lado esquerdo estava a mãe, igualmente sentada no chão, com um pequeno no meio das pernas cruzadas e um bebé ao colo.

A foto sugeria ser Verão, no campo, e o casal e quatro filhos estavam à sombra, relaxados, descontraídos.

Aquela fotografia em particular transmite uma tal sensação que as centenas de comentários, aos quais juntei o meu, iam no mesmo sentido – que maravilha!

platja en familia_julia sarda

Comentei alto, ai coitada desta mãe, 4 rapazes! e levei logo com um coitada porquê?!, como se eu estivesse a dar a entender que ter 4 filhos fosse uma tragédia. Coitada porque se eu frito com 3 imagina ela com 4.

E fiquei a pensar. Pensei como nos anos 50, ou 60, ter 4 filhos não é o mesmo que agora. O ritmo de vida era outro, mesmo na cidade. Sobretudo na cidade. Continuar lendo Viver Devagar

Das contradições (e das pequenas coisas)

Na página de Facebook da Mãegazine acabei de partilhar uma imagem de uma página intitulada Becoming Unbusy. A tirada é esta e diz que no fim da linha não nos lamentaremos do tempo a mais despendido com os filhos.

A primeira contradição é que se há quem fique contente de despachar filhos para avós sou eu e já estou a esfregar as mãos agora com a Páscoa (eheh). E depois fica-me muito bem partilhar uma imagem destas… Mas essa contradição é humana e até tem graça. E eu sou o perfeito peixe que mordeu o isco.

Como assim? Continuar lendo Das contradições (e das pequenas coisas)

(outra vez) sobre balanços

Estou a repetir-me, bem sei, mas lá venho falar de balanços.

Há os clássicos, na passagem do ano (civil). Entre Dezembro e Janeiro há ali uma fase de fresh new start, página em branco que sabe muito bem. Falo disso aqui.

Depois há o novo ano lectivo, o arrumar as tralhas das férias e a rentrée – novo ano escolar, novo ciclo de trabalho, novo Outono e Inverno… Mais aqui.

E depois há os aniversários, nossos e da prole. Continuar lendo (outra vez) sobre balanços

Curta reflexão sobre as redes sociais e internet

anna parini
Sou – assumida e deliberadamente – cautelosa, céptica e apreensiva no que diz respeito às redes sociais em particular e à internet em geral.

Quando a tecnologia avança a um ritmo alucinante, ou vamos na corrente, ou fazemos alguma resistência (e ficamos contra a corrente de alguma forma). Estou entre os segundos.

Optei por Continuar lendo Curta reflexão sobre as redes sociais e internet