Dos desajustes – da maternidade para a cama

Contrariamente a outros sites de mães, que põem em evidência o que de melhor acontece na vida familiar num registo auto-biográfico, não escapo à natureza do Mãegazine: o individual é apenas o ponto de partida para uma reflexão mais alargada, muitas vezes sobre o que de pior acontece (oh well 😏).
Vamos falar de desajustes? Desajustes na forma como nos vemos como mães? Desajustes na forma como vivemos a sexualidade?

Ora noutro dia tive a feliz oportunidade de ver um vídeo com a minha mentora Laura Markham, doutorada em parenting.

No vídeo, ela dizia que quando o bebé nasce, ficamos completamente apaixonados e prometemos fazer tudo por eles, coração a transbordar. Projectamos o futuro, nós ao seu lado a acompanhar a sua exploração da vida e do mundo.

E não podemos acreditar, nem nos reconhecemos, quando aquelas pequenas criaturas adoráveis nos levam a explorar os nossos próprios píncaros de raiva, frustração, tão longe do ideal de amor incondicional que descobrimos com eles e sabemos existir, mas que se escondeu sabe-se lá onde.

Quem é este monstro (válido para pais e filhos)?! De onde vem toda esta agressividade, desconhecida até aqui, eu que me julgava equilibrada e ponderada?!

Este monstro são as emoções não reguladas e filtradas pelo córtex pré-frontal, vindas direitinhas das duas amígdalas do cérebro. São as hormonas do stress, que existe para nos proteger, mas versão roda livre, consequentemente versão destrutiva.

Os bebés e os choros descontrolados, as crianças pequenas e as suas birras, as de idade escolar, que se recusam a ouvir-nos, os pré adolescentes e as suas reivindicações, os adolescentes e todo o seu comportamento a testar limites – francamente não há nenhuma fase em que não nos levem aos píncaros, carregando em TODOS os botões do nosso ser, aqueles que desencadeiam reacções inflamadas (para ser gentil) em nós.

É esta realidade menos gloriosa, mas igualmente presente, que me interessa, conversa honesta sobre como gerir a parte sombria de nós mesmos (artigos sobre isso aqui e aqui).

Acontece que esta realidade está justamente ausente na imagem que damos, como sociedade, da maternidade.

Dos anúncios aos filmes aos blogues (que podiam ser fontes de autenticidade, mas tendem para a auto-glorificação, deliberada ou não), a imagem que é dada é adocicada.

Como resultado, a percepção que temos de nós como mães é de falhanço e frustração, pois estamos longe (falo por mim, pelo menos) destas referências e modelos de pura felicidade e amor transbordante.

Isto é assim com a maternidade e será com outras coisas?

Chamaram-me a atenção para um artigo sobre a sexualidade, um artigo que foi publicado no jornal Le Monde. A autora fala precisamente do desajuste entre a imagem que temos de uma vida sexual feliz, em boa medida veiculada pelos media, filmes, etc, (não sendo profissionais nesta área, médicos, terapeutas, etc, como podemos ter referências de comportamentos íntimos?) e a realidade, com líbidos pouco animadas ou ideais de performance no extremo oposto do que conhecemos?

A autora diz que um terço das francesas simula ter orgasmos, de forma a não desapontar o parceiro. E isto num país ocidental, que conheceu os Maios de 68 e afins. Nem imagino noutras culturas, onde a mulher tem um papel acessório e subalterno…

Retomo as perguntas que já fiz, e que se aplicam igualmente à nossa sexualidade:

Onde está a minha liberdade? Quem define o meu sucesso? Com que bitolas vivo a minha vida? 

Quando nos libertamos das imagens com que somos bombardeados? Quando nos viramos para a nossa realidade, para o concreto, para o que temos, para o que somos, para aqueles com quem partilhamos a vida, sem expectativas ditadas por outrem?

Isso sim, seria uma revolução. Mas não é glamourosa nem vende, por isso é continuar a sonhar (e a escrever)

ps – há um artigo sobre sexo de que gosto particularmente. É este, em inglês

 

Anúncios

Carta ao meu pai

Querido pai,

Falta pouco para nos conhecermos: pode parecer uma eternidade, mas uma gravidez passa sempre depressa.

Enquanto contas os dias sei que não estás tão descansado como queres transparecer.
Passam-te milhares de coisas pela cabeça. E se as coisas não correm bem? E se eu não gostar do meu bebé? E se ele não gostar de mim? E se eu não souber educar bem? E se ninguém o convidar para as festas? E se a escola correr mal? E se…

Sabes que nem tu nem ninguém tem as respostas para esse e se… porque o caminho faz-se a caminhar e só quando as coisas acontecem é que podes responder com propriedade.

Mas há uma coisa que eu sei e essa coisa não está em nenhum motor de busca nem em nenhum livro: Continuar lendo Carta ao meu pai

São Valentim

Eu nem estava para escrever nada sobre isto, mas como estou toda virada para a criação de novos rituais e tradições familiares…

São Valentim é MESMO a meio do mês – e é hoje!!!

il_570xn-420771155_3t4a

Li dois artigos que valem bastante a pena. Continuar lendo São Valentim

Tudo o que sempre quis(este) saber da Maria do 6+2

Vamos pôr as coisas como elas são: se houvesse um percentil para o grau de stress das mães, a Maria Cordoeiro estaria no percentil 5. Eu mais do lado dos 95… 😔  #fabiennelepicsaidomeucorpo

Como qualquer pessoa, fico fascinada com quem dá sinais de ser radicalmente diferente de mim, sobretudo se o seu comportamento se aproxima do ideal que tenho para mim mesma.

Penso que não estou só, a avaliar pelos mais de milhar e meio que seguem o seu blogue por email. A Maria Cordoeiro, nas pequenas crónicas familiares que escreve, evoca um mundo que muitos almejam – e eu em particular. Continuar lendo Tudo o que sempre quis(este) saber da Maria do 6+2

A foto do ano

Chegada esta altura do ano, é o momento de preparar *a* foto do ano. E não, não me refiro à foto que tiram na escola aos meninos, para a qual muitas das vezes nos esquecemos da data certa e logo naquele dia foram eles que escolheram a roupa (soma pontos na autonomia, corta pontos no look), com as calças já demasiado curtas e para mais com a joelheira a descolar. Não.

familia maegazine

A foto do ano é a foto oficial da família nesse ano. Continuar lendo A foto do ano

Quando nos questionamos sobre o plano B da vida

Há dias vi esta imagem que aqui reproduzo, da autoria do ilustrador catalão Jordi Labanda. Fiquei a pensar nela e associei-a a um belíssimo texto, outonal, do José Tolentino Mendonça, que tem uma rara capacidade para escrever sobre a alma humana.
A certa altura escreve ele:

(…) Há um momento na nossa vida, ou há momentos nela, em que fazendo um balanço, sentimos que ficámos aquém dos nossos próprios sonhos. (…) Esperávamos isto e aquilo que não aconteceu. Desejávamos uma plenitude, uma fulgurância, um clarão e o que temos é uma estreita e baça normalidade. Sentimo-nos, sem saber bem como, a viver sob tetos baixos. Há uma espécie de doçura prometida que nos escapa, que fica adiada, que começamos talvez a julgar que já não será para nós, tão inacessível nos assoma. Continuar lendo Quando nos questionamos sobre o plano B da vida